A Religião como Linguagem não compreendida da Consciência Parte 3

              Judaísmo 

Na Torah (Velho Testamento) se encontra um conjunto de regras de condutas individuais e coletivas destinadas ao povo hebreu. Como toda linguagem religiosa sempre trouxe essa problemática toda que já conhecemos, desde a existência de profetas escolhidos que dá a impressão de afastar os outros homens da possibilidade de encontro com o divino à visão meramente histórica e literal das escrituras, olhá-la-emos pelo filtro da Kabbalah (cabala).

A palavra Kabbalah tem alguns significados, entre eles ”recepção” e ‘‘tradição”, no sentido de conhecimento oralmente transmitido a poucos. Esta ciência era tida como secreta, restrita aos iniciados judeus. Tratava-se duma sabedoria que permitia o indivíduo ter uma percepção de Realidade além da experiência habitual, uma experiência totalmente transcendente (tornar-se Consciente da Realidade). Através da Kabbalah se pode observar a dinâmica da escritura com a perspectiva da Consciência, a finalidade não poderia ser outra, visto que já se sabe que a Consciência permeia todo Universo – negar tal fato é negligenciar a Torah por completo, significa ter um entendimento moral-histórico-teológico medíocre, isto por ignorância ou por resistência ao Conhecimento.

Ao adquirir Consciência é imprescindível ao indivíduo adotar esta atitude cabalística de compartilhar o Conhecimento. No Universo composto por átomos, onde a interação destes se resultam na troca perene de informação (tudo é informação), a transmissão cuja objetividade leve a ajudar o outro ter esta compreensão Consciente da Realidade remete a sintonia da Consciência Universal  e do Amor Incondicional.

Podemos encontrar referências a questão do discernimento da linguagem religiosa no Torah nas linhas dum grande livro de sabedoria judaica, o Zohar – O Livro do Esplendor. Não se sabe ao certo se a obra original data aos meados do século II, contudo, sabe-se que a obra veio à tona publicamente no século XIII, através do rabino espanhol Moisés de León.

”Por todo o país, em volta do Mar da Galiléia, o mestre, Shimon ben Yochai, passeava com seus alunos. Algumas vezes eram doze, outras talvez dez, esses fiéis discípulos a quem o mestre ensinava a Torá e explicava a Palavra de Deus como a haviam revelado os profetas e os mestres de Israel: a Lei Escrita conservada para toda a posteridade no livro imperecível, a Bíblia.

Ele disse a seus discípulos: ‘Infeliz é o homem que vê na interpretação da Lei a recitação de uma simples narrativa, contada em palavras de uso comum. Se fosse só isso, não teríamos dificuldade alguma em compor hoje uma Torá melhor e mais atraente. Mas as palavras que lemos são apenas a túnica exterior. Cada uma delas contém um significado mais alto do

A perspectiva do judaísmo ortodoxo representa uma vivência externa de religiosidade, não ultrapassa, tampouco penetra na diretriz da consciência.

que o que nos é aparente. Cada uma contém um mistério sublime que devemos tentar penetrar com persistência. Os que tomam o traje exterior pela coisa que ele cobre, não encontrarão muita felicidade nele – exatamente como os que julgam o homem apenas por sua vestimenta exterior estão fadados à desilusão, pois são o corpo e o espírito que fazem o homem. Sob a vestimenta da Torá, que são as palavras, e sob o corpo da Torá, que são os Mandamentos, encontra-se a alma, que é o mistério oculto.”
Zohar, o Livro do Esplendor


            A Árvore da vida

A Cabala demonstra as manifestações do Universo por meio da representação alegórica da Árvore da Vida, que pode ser usada tanto para explicar a criação do Universo, como para descrever o processo evolutivo do homem, pois os princípios universais estão todos dentro do próprio homem.
.
A Árvore da Vida se dispõe de dez Sephiroth (os furtos da árvore), estas são emanações de Ain Soph (Todo – Oceano Primordial de Energia- Vácuo Quântico-Deus), que vai de Kether (plano mais sutíl) à Malkuth (plano mais denso, como este em que vivemos).

Kether representa no homem a sua ” Centelha Cósmica/Sef ” (cada indivíduo tem em si um fragmento da Consciência Universal, e precisa se tornar ciente dEle ). Este Fragmento desce pela Árvore e ao cair em Malkuth, na materialidade densa, acaba envolvida por uma personalidade [ego] e esquece-se de sua procedência Cósmica Consciente.


Michael Laitman, Phd em Filosofia pela Academia Russa de Ciências e Mestrado em Biocibernética pelo Instituto Politécnico de São Peterburgo. Ele foi discípulo e assistente pessoal do rabino Baruch AshLag . Já escreveu 30 livros sobre Cabala, os quais foram traduzidos em 10 idiomas.

.
Vejamos agora, trechos de um resumo de uma apresentação do Dr. Laitman na presença de alunos e professores das universidades de Berkeley e Stanford :

” A sabedoria da Cabala (”recepção” em hebraico), como seu nome implica, nos ensina a receber. Ela explica como percebemos a realidade em nossa volta. Para entendermos quem somos, primeiro devemos entender como percebemos a realidade que nos rodeia, e como lidamos com os eventos que acontecem conosco. A sabedoria da Cabala nos oferece todas estas percepções.

A sabedoria da Cabala não veio para um indivíduo naturalmente, mas somente quando ele atinge certo nível de maturação. É por isto que a Cabala está sendo exposta a tantas pessoas nos dias atuais,e está também é razão pela qual ela ficou oculta a milhares de anos.

As gerações anteriores acreditavam que o mundo existia por si só; quer queiramos ou não nós estamos aqui para percebê-lo, o mundo é do jeito que é e existe objetivamente, de forma independente. Posteriormente, as pessoas começaram a compreender que a nossa imagem do mundo é formada pelo que somos. Em outras palavras, a imagem do mundo é uma combinação de nossos próprios atributos e circunstâncias externas.

Portanto, nós percebemos apenas uma parcela de tudo aquilo que nos cerca. Por exemplo, agora existem inúmeras ondas fora de nós, mas só podemos perceber uma delas, a onda que nós estamos sintonizados a perceber. Assim, nós percebemos as condições externas de acordo com nossas qualidades internas. Se nós não temos nada em comum com o mundo exterior, não perceberemos e não sentiremos nada disto.

A Cabala fala amplamente da nossa percepção do tempo, do espaço e do movimento. Por que nos parece que a realidade se expande, que está certa distância de nós? Qual é a fonte do nosso perpétuo sentimento de movimento e mudança? Ele é resultado da internalidade dos processos que estamos experimentando, ou será que ele existe independentemente deles?

Quanto mais progredimos no estudo de nosso ser interno, mais descobrimos que a percepção da realidade depende de nós. Quando a humanidade evoluir suficientemente em conhecimento, ciência e tecnologia, nós seremos capazes de perceber o que a sabedoria da Cabala tem para nos oferecer.

A sabedoria da Cabala afirma que em torno de nós só há ” A Luz Superior”, uma força única em estado permanente e imutável. Nada existe além dessa Luz Superior. Em tal estado, as palavras existentes e inexistentes significam a mesma coisa, por que nós só medimos as mudanças. Quando não há mudanças, não há nada a ser medido.

Dentro de cada um de nós existe um ”gene”, um pouco de informação que constantemente evoca em nós novas sensações e emoções. Nós imaginamos o mundo de dentro dessas sensações, de onde podemos obter a consciência de que existimos. Todos esses processos ocorrem dentro de nós e projetam a nossa percepção ao mundo exterior.

Na verdade nada, nada existe fora de nós, mas nossa imagem da realidade surge como se estivesse fora de mim. O conceito que apresento aqui foi descrito pelos maiores cabalistas há milhares de anos atrás, e é fascinante e impressionante na riqueza de experiências que ele proporciona. Está escrito no Livro do Zohar que somente quando compreendemos experimentarmos e dominarmos essa percepção é que entenderemos os escritos nos livros cabalísticos e no próprio Zohar.

Uma vez que tenhamos percebido os limites de nossa percepção, a Cabala pode nos ajudar a descobrir o que realmente existe fora de nós. Através da Cabala, nós podemos transcender as nossas qualidades naturais, construir novas ferramentas de sensação, e através delas experimentarmos plenamente a realidade externa.

Quando nós somos libertados das cadeias de nossas percepções inatas, podemos descobrir um mundo totalmente novo e começamos a experimentar o fluxo eterno, completo e ilimitado da vida. Nós seremos capazes de experimentar as forças que atuam sobre a realidade como uma força única, e eventos que pareciam acidentais para nós, inesperados ou incompreensíveis, de repente fazem sentido.

Para essas pessoas o mundo espiritual pode se tornar um sistema de forças que está por trás de nossa realidade visível, as forças que impulsionam a realidade. A Cabala não anula nem outro ensinamento ou ciência. Ela também não contesta o progresso da humanidade ao longo das gerações. Ela aprecia as conquistas da humanidade, mas à medida que chegamos ao ápice dessas conquistas, a humanidade está começando a experimentar uma crescente necessidade de sentir a realidade completa. Está é a razão para o interesse crescente pela Cabala atualmente.

Para atingirmos este objetivo e experimentarmos o mundo espiritual, nós devemos cultivar em nós as qualidades idênticas do mundo espiritual. Tudo que percebemos na realidade é através de uma equivalência de qualidades. Portanto nós descobrimos coisas novas no mundo de acordo com as qualidades dentro de nós.

À medida que nós amadurecermos adquirimos novas qualidades tanto de nossos pais quanto do nosso entorno. Depois de absorvê-los podemos usá-las para estudar a realidade a nossa volta. Nós adquirimos diferentes tipos de atributos dos quais despertam em nós naturalmente no tempo devido e alguns são adquiridos pela influência de nosso ambiente. No entanto, algumas qualidades não podem ser adquiridas naturalmente, devem ser desenvolvidas dentro de nós através de um método especial.

A sabedoria da Cabala constrói tais qualidades. Quando a pessoa começa a imagem correta, e experimenta a abertura do Mundo Superior, está descoberta é acompanhada da maravilhosa sensação de vida eterna e do infinito e ilimitado fluxo de prazeres. Este é o lugar para onde nossas vidas estão nos levando. ”

Cabala, Ciência e o significado da Vida

Quando Laitman assistiu ao filme ” Quem somos nós ”, ele disse: ”Eu fiquei radiante com a sensação de que parece que os cientistas que aparecem no filme estavam fazendo a mesma pergunta que eu fazia tempos atrás. Eu pensei que talvez eles se interessassem com o que a sabedoria da Cabala oferece. ”

Assista ”Quem somos nós?”:

Está ficando claro como os pontos se interligam?


Albert Einstein e a Cabala

Equivalência massa-energia, E=mc².

E Einstein contou que certa noite, após muito meditar a respeito dos insondáveis mistérios cósmicos, pensou em abandonar suas pesquisas. Sentia-se impotente para tarefa de tal magnitude. Foi então que aconteceu uma visão de impressionante clareza e precisão. Diante de seus olhos delineou-se a imagem perfeita do Universo. Como se fosse um privilegiado espectador, observou extasiado seu funcionamento, sua complexa estrutura envolvendo espaço e tempo. Imediatamente escreveu, explicando minuciosamente o que lhe foi dado ver. Organizou mapas onde desenhou com a máxima exatidão todas as figuras astronômicas em suas diferentes movimentações, a fim de que pudesse formular sua teoria e torná-la compreensível. É inegável que ele vivenciava estados alterados de consciência.

” Um ser humano é parte de um todo, chamado por nós universo – uma parte limitada no tempo e espaço. Ele experimenta-se a si mesmo, seus pensamentos e sentimentos como algo separado do resto – uma espécie de ilusão óptica da consciência. Esta ilusão é uma prisão, restringindo-nos aos nossos desejos pessoais e afeto por poucas pessoas próximas a nós. A nossa tarefa deve ser a de nos libertarmos ao aumentar o nosso circulo de compaixão e abraçar todas as criaturas vivas e toda a natureza e toda a sua beleza. Ninguém consegue cumprir esta tarefa até ao fim, mas apenas os esforços de alcançar este objetivo são parte da libertação e uma fundação para a confiança interna.”

”O verdadeiro valor do homem é definido pelo grau ao qual ele se liberou a si mesmo de egoísmo e pelos meios que este usou para o alcançar. ”

“Todo aquele que se dedica ao estudo da ciência chega a convencer-se de que nas leis do Universo se manifesta um Espírito sumamente superior ao do homem, e perante o qual nós, com os nossos poderes limitados, devemos humilhar-nos.”

(Ou seja, os problemas como guerra, fome, desigualdades não podem ser resolvidos com medidas meramente intelectuais [medidas sociológicas, políticas e ideológicas], mas sim através de medidas em outro ”nível”, por meio da expansão de Consciência.)

Albert Einstein, cientista de origem judia, apresentava idéias que expressam similitudes inerentes aos conhecimentos cabalísticos. Dizia querer ” conhecer a mente de Deus” através da compreensão do funcionamento do Universo. Sua teoria da Relatividade Geral ao lado da Mecânica Quântica formam os pilares da Física Moderna.

Assista o documentário gratuitamente no Youtube ‘‘ O Universo Elegante – O sonho de Einstein’’.
https://www.youtube.com/watch?v=053Wje5f72I


Exercício – Meditação Cabalística


Antes de começar a instrução do exercício, citarei um trecho do Sepher Yetzirah ou Livro da Criação, um dos mais antigos textos de estudo da Cabala:
” Vinte e duas letras são formadas pela voz, impressionado na qualidade do ar, e
audivelmente proferidas em cinco situações, na garganta, sons guturais, no palato,
palatals; pela língua, linguals; através dos dentes, Dental; e pelo lábios, sons labiais.

Estas vinte e duas letras, as fundações, como Ele dispostos em uma esfera, com
duzentos e trinta e um modos de entrada. Se a esfera ser rodado em frente, está
implícita bom, se em uma forma retrógrada mal se destina.

A partir das letras, ou formas Ele compõe duas residências, a partir de três, seis,
de quatro, vinte e quatro, de cinco, cento e vinte, de seis, setecentos e vinte, de sete,
cinco mil e quarenta e partir daí, aumentar os seus números de uma forma além do
conto, e são incompreensíveis. Estes são sete Planetas do Universo, o Sol, Vênus,
Mercúrio, Lua, Saturno, Júpiter e Marte, os sete dias são os dias da criação, e estas uma
das sete portas de um homem, dois olhos, duas orelhas, duas narinas e uma boca,
através do qual ele percebe por seus sentidos. ”

Sepher Yetzirah – O Livro da Criação

Estes trechos se referem ao alfabeto hebraico e sua origem criativa consciente. Vamos utilizar o seu potencial para o exercício. Já está mais que provado que os símbolos exercem uma poderosa influência no subconsciente. Os símbolos também emitem frequências eletromagnéticas específicas, assim como emitem as moléculas que se unem para expressar determinado electromagnetismo de um elemento químico em particular. Se possível, reserve na sua rotina um espaço para a prática diariamente. Evite anseios, pratique sempre que puder.

No quadro abaixo contém os ditos 72 nomes de Deus. Estes Nomes são formados por 72 sequências de três letras hebraicas codificadas no texto da Torah. O objetivo é ocasionar estados alterados de consciência.

1- Sente-se num local confortável, num ambiente onde não possa ser incomodado. De olhos fechados, inspire e expire vagarosamente, enquanto relaxa cada membro de teu corpo. Sinta cada parte dele, o sangue correndo pelos vasos sanguíneos, o coração batendo, sinta o teu corpo funcionando. Evite qualquer tensão muscular e mental, não vá atrás de nenhum pensamento, apenas deixei fluir.
2- Abra os olhos e visualize as seqüências, da direita para esquerda, de cima para baixo. Ao passar o olhar por cada seqüência de três letras faça uma profunda inspiração e uma expiração. Visualize a cerca de 5 segundos cada letra, percorrendo toda tabela.
Você também pode utilizar cada nome separadamente, cada um tem um efeito e finalidades específicas na consciência.
Treine a visualização mental de cada nome – feche os olhos e tente criar uma imagem do símbolo na sua mente, prossiga quando tiver sucesso de criar a imagem mental com perfeição. Ter estes símbolos expostos na parede ou em qualquer local de fácil acesso a visão também é bastante pertinente.


Cura: Meditação para si próprio e para os outros. Curar o Corpo, a Mente e a Alma. Cura Emocional, Doença Física, Dor, Purificação, Síndrome de Fadiga Crônica, transtorno de Personalidade Borderline.

Resgatando as Centelhas: Recarregando quando está esgotado Resgate da Centelha Divina Recuperar a energia e oportunidades roubadas Desesperança, Energia, Exaustão, Fadiga, Melancolia.


Expansão de percepção: Trocando seu universo por um melhor. Ative o dom da profecia e a sabedoria divina. Auto-descoberta, Carreira, Iluminação, Más Memórias, Mudança, Premonição, Profecia.
Acesse a outros símbolos através do link:

http://www.sitecriativo.com.br/72/tabelanomessintomas.htm


 Cristianismo


Por séculos se criou inúmeras subdivisões da religião cristã; igrejas, seitas e correntes teológicas distintas, gerando conflitos de todos os tipos, isto se tornou um estopim de discussões intermináveis. Toda esta confusão se deve a idolatria cega a figura de Yehoshua ben Pandirah (Jesus). Fizeram (e ainda fazem) de seus ensinamentos centenas interpretações intelectuais, liturgias e cultos – sem nunca penetrar realmente na sua mensagem. Suas lições nos destinam ao encontro de nossa Natureza Cósmica, as pessoas não se conectam a esta egrégora de compreensão por que estão a seguir o cristo histórico, o cristo dos teólogos materialistas de intelecto sólido, o cristo forjado pela igreja Católica e todas outras religiões, e não estão a seguir o Cristo Cósmico.


O fato é que a essência do Cristo continua a ser combatida ate os dias atuais. Os mesmos que o crucificaram há 2000 anos (o sistema religioso [autoridades judias] e o Império Romano) continuam a crucificá-lo (o sistema religioso [inúmeras religiões cristãs] e o Estado Moderno).
As Instituições cristãs (católicas, protestantes, ortodoxas e seitas de todos os tipos) batem de frente com o Cristo Cósmico, pois Ele é totalmente revolucionário e libertador, pois Ele liberta o indivíduo da dependência do sacerdote para lhe fundamentar o sagrado, um sagrado exterior e cômodo.

Como já dito, a Consciência permeia cada confim do Universo (desde os quarks à galáxias), e é advinda da manifestação da Consciência Cósmica (Vácuo  – Deus – Todo) . O Cristo é a manifestação do Todo que ”desce a matéria (maneira de dizer)” para instruir os semelhantes (pois todos vieram da mesma Fonte) que se encontram nas ”trevas”- ou seja, na ignorância, na inconsciência perante a própria Natureza Cósmica. O Cristo não é um indivíduo, mas sim, uma manifestação cósmica do Todo que se expressa numa individualidade.
Vamos dissecar alguns de seus ensinamentos. Alguns trechos são tão explícitos que se dispensa qualquer comentário.


”Eu disse: Vós sois deuses, e todos vós filhos do Altíssimo”
Salmos 82:6

”Cercaram-no os judeus e perguntaram-lhe: Até quando nos deixarás suspensos? Se tu és o Cristo, dize-no-lo francamente. Respondeu-lhes Jesus: Eu vo-lo disse, e não credes; as obras que eu faço em nome de meu Pai, dão testemunho de mim; mas vós não credes, porque não sois das minhas ovelhas.
As minhas ovelhas ouvem a minha voz; eu as conheço, e elas me seguem. Eu lhes dou a vida eterna, e nunca jamais hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão.
Aquilo que meu Pai me tem dado é maior do que tudo; e ninguém pode arrebatá-lo da mão do Pai. ”
(O que pode um indivíduo fazer contra a Consciência Universal?)


”Eu e meu Pai somos um.” (Jesus se tornou Um com a Consciência Universal)

”Os judeus outra vez pegaram em pedras para lhe atirar.Disse-lhes Jesus: Mostrei-vos muitas obras boas da parte do Pai; por qual destas obras ides apedrejar-me.
Responderam-lhe os judeus: Não te vamos apedrejar por uma boa obra, mas por blasfêmia, e porque, sendo tu homem, te fazes Deus.
Replicou-lhes Jesus: Não está escrito na vossa Lei: Eu disse que vós sois deuses?”
(Deuses = todos tem a Centelha do Todo dentro de si)

”Se ele chamou deuses àqueles a quem foi dirigida a palavra de Deus, e a Escritura não pode falhar, daquele a quem o Pai santificou e enviou ao mundo, dizeis vós: Tu blasfemas, porque eu disse: Sou Filho de Deus?
Se não faço as obras de meu Pai, não me creiais; mas se as faço, embora não me creiais, crede nas obras, para que conheçais e compreendais que o Pai está em mim, e eu estou no Pai.” João 10:24-38
(Conhecendo a obra [ensinamentos] se chega à compreensão da Consciência Crística)


Evangelho Apócrifo de Tomé


” 3. Jesus disse: Se vossos guias vos disserem: ‘o reino está no céu’, então as aves vos precederam; se vos disserem que está no mar, então os peixes vos precederam. Mas o reino está dentro de vós, e também fora de vós. Se vos conhecerdes, sereis conhecidos e sabereis que sois filhos do Pai Vivo. Mas, se não vos conhecerdes, vivereis em pobreza, e vós mesmos sereis essa pobreza.
(O reino está dentro e também fora – A consciência Universal está em todos os lugares. O ”reino do céu ”, ou seja, a dimensão da Realidade Cósmica, se encontra em cada indivíduo através da Centelha. Ai se retrata o principal motivo do Evangelho de Tomé não entrar no cânone oficial- quando se diz que o reino está dentro, não há motivo para a necessidade da autoridade da igreja e dos sacerdotes como intermediários)

5. Conhece o que está ante os teus olhos (a consciência) – e o que te é oculto te será revelado (os mistérios da existência – as possibilidades e poderes da consciência); porque nada é oculto que não seja manifestado.

6. Perguntaram os discípulos a Jesus: Queres que jejuemos? Como devemos orar? Como dar esmolas? Que alimentos devemos comer?
Respondeu Jesus: Não mintais a vós mesmos (ignorar a Natureza Cósmica), e não façais o que é odioso! Porquanto todas essas coisas são manifestas diante do céu (dimensões cósmicas/multiverso). Não há nada oculto que não seja manifestado, e não há nada velado que, por fim, não seja revelado.


9. Disse Jesus: Saiu o semeador. Encheu a mão e lançou a semente. Alguns grãos caíram no caminho; vieram as aves e os cataram. Outros caíram sobre os rochedos; não deitaram raízes para dentro da terra nem mandaram brotos para o céu. Outros ainda caíram entre espinhos, que sufocaram a semente e o verme a comeu. Outra parte caiu em terra boa, e produziu fruto bom rumo ao céu; produziu sessenta por uma, e cento e vinte por uma.
(O ensinamento de despertar da consciência é entregue a muitas pessoas em distintas épocas e lugares, mas por diversos motivos [crenças irracionais, falta de discernimento, interesses egoístas, tradições inquestionáveis, ideologias vigentes] poucos o compreende [terra boa])

10. Disse Jesus: Eu lancei fogo (Luz – Entendimento) sobre a terra (pessoa) – e eis que o vigio até que arda (se ilumine).

11. Disse Jesus: Este céu passará, e passará também aquele que está por cima deste. Os mortos não vivem (os indivíduos inconscientes da Natureza Cósmica), e os vivos não morrerão (os que são cientes da Natureza Cósmica). Quando comíeis (vivenciar o ensinamento crístico) o que era morto, vós o tornáveis vivo (quando os inconscientes despertarem a Consciência, se tornarão vivos). Quando estiverdes na luz, que fareis? Quando éreis um, vos tornastes dois; mas, quando fordes dois, que fareis? (quando estiverem na luz [Conscientes], terão de ajudar os outros a se tornarem também, multiplicando-os).


16. Talvez os homens pensem que eu vim para trazer paz à terra, e não sabem que eu vim para trazer discórdias à terra, fogo, espada e guerra. Haverá cinco numa casa, três contra dois, dois contra três; pai contra filho, e filho contra pai. E serão solitários.
(Ele veio para confrontar os sistemas vigentes [religiosos e políticos], pois estão na direção oposta da Consciência Cósmica)

18. Perguntaram os discípulos a Jesus: Como será o nosso fim? Respondeu-lhes Jesus: Descobristes o princípio (Consciência Universal/Vácuo /Deus), para que estejais procurando o fim? Pois onde estiver o princípio ali estará o fim. Feliz de quem está no princípio; também conhecerá o fim – e não provará a morte (inconsciência).


20. Disseram os discípulos a Jesus: Dize-nos, a que se assemelha o Reino dos céus?
Respondeu-lhes ele: Ele é semelhante a um grão de mostarda, que é menor que todas as sementes (Centelha Cósmica/Divina); mas, quando cai em terra, que o homem trabalha, produz um broto e se transforma num abrigo para as aves do céu.

22. Jesus viu crianças de peito a mamarem. E ele disse a seus discípulos: Essas crianças de peito se parecem com aqueles que entram no Reino. Perguntaram-lhe eles: Se formos pequenos, entraremos no Reino?
(Os recém-nascidos são símbolo de pureza, tem uma inocência acima de qualquer julgamento, e não estão contaminadas com a cultura e paradigma terrestre [políticas, religiões e ideologias]. A consciência do recém-nascido é límpida e desperta, mas aos poucos vai se perdendo com a formação da personalidade [ego] e contaminada pelo paradigma civilizatório.)

28. Respondeu-lhes Jesus: Se reduzirdes dois a um, se fizerdes o interior como o exterior, e o exterior como o interior, se fizerdes o de cima como o de baixo, se fizerdes um o masculino e o feminino, de maneira que o masculino não seja mais masculino e o feminino não seja mais feminino – então entrareis no Reino.
(Dois a um= fundir-se a Centelha/Self/Todo)
(Interior como o exterior = ter total integridade de corpo, mente e alma, ao ponto que para consciência tudo seja discernido como uma unidade)
(Cima como o de baixo = [referência ao segundo princípio de Hermes Trismegisto] Ter liberdade de ação e entendimento em qualquer plano/multiverso.)
(Fizerdes um o masculino e o feminino = Pleno equilíbrio de polaridade)
(Em suma, significa fundir-se ao Todo/Vácuo Quântico – onde não há distinção de interno/externo, divisão de planos [cima/baixo] e gênero/polaridade [masculino e feminino])


28. Jesus disse: Eu estava no meio do mundo (em todos os lugares – Consciência Universal) e me revelei a ele corporalmente (encarnou). Encontrei todos embriagados (inconscientes, adormecidos), e não encontrei nenhum deles sedento (com vontade de despertar). E minha alma sofria dores pelos filhos dos homens, porque eles são cegos no seu coração e nada enxergam. Assim como entraram no mundo vazio, querem sair do mundo, vazios. Agora estão bêbados, e só se converterão se abandonarem o seu vinho (paradigma).

29. Jesus disse: Se a carne foi feita por causa do espírito, é isto maravilhoso. Mas, se o espírito foi feito por causa do corpo, é isto a maravilha das maravilhas. Eu, porém, estou maravilhado diante do seguinte: Como é que tamanha riqueza foi habitar em tanta pobreza?

30. Jesus disse: Onde há três deuses, eles são deuses. Onde há dois ou um, eu estou com ele.
(Ele estará lá por que a essência da Centelha/Self em todos é a mesma)

31. Nenhum profeta é aceito em sua cidade, nem pode um médico curar os que o conhecem.
(Em qualquer época em lugares distintos aqueles que trouxeram consciência para humanidade sempre eram [e ainda são] desacreditados)

77. Disse Jesus: Eu sou a luz, que está acima de todos. Eu sou o “Todo”. O Todo saiu de mim, e o Todo voltou a mim. Rachai a madeira – lá estou eu. Erguei a pedra – lá me achareis (Vácuo /Todo/ Consciência Universal).


79. Uma mulher da multidão disse-lhe: Feliz o ventre que te gestou e os seios que te amamentaram.
Respondeu ele: Felizes os que ouviram o Verbo do Pai e viveram a Verdade. Porque dias virão em que direis: Feliz o ventre que não concebeu, e felizes os seios que não amamentaram (libertou-se do ciclo inconsciente de nascimento e morte [roda de samsara]).

89. Disse Jesus: Por que lavais o exterior do recipiente? Não sabeis que o mesmo que creou o interior creou também o exterior?

108. Disse Jesus: Quem beber da minha boca se tornará como eu. E eu serei o que ele é. E as coisas ocultas lhe serão reveladas.

113. Os discípulos perguntaram-lhe: Em que dia vem o Reino?
Jesus respondeu: Não vem pelo fato de alguém esperar por ele; nem se pode dizer ei-lo aqui! Ei-lo acolá! O Reino está presente no mundo inteiro, mas os homens não o enxergam. ”

70. Jesus disse: Se fizerdes nascer em vós aquele que possuis (Centelha/Self), ele vos salvará; mas, se não possuirdes em vós a este, então sereis mortos por aquele que não possuis.

93. Não deis as coisas puras aos cães, para que não as arrastem ao lodo. Nem lanceis as pérolas aos porcos, para que não as conspurquem.
(Pérolas = ensinamentos, porcos = indignos)
102. Disse Jesus: Ai dos fariseus! (representam o sistema religioso atual) Eles se parecem com um cão deitado no cocho dos bois; não come nem deixa os bois comerem.


‘‘E, tudo o que pedirdes, crendo que receberam, o recebereis ’’
Mateus 21; 22
(Clara referência a Lei da Atração)


Exercício 1 – Negando a si mesmo


‘‘Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz, e siga-me. ’’
Mateus 16;24
Negar a si mesmo significa posicionar-se na ancora da consciência (Centelha) e enfrentar suas imperfeições e limitações mentais (ego).
Como identificar o que realmente é você e o que é seu ego? Simples.
Feche os olhos por 1 minuto e tente observar a quantidade de pensamentos aleatórios que lhe vem à mente. Veja o quanto são desconexos, outros são preocupações recentes ou remotas, outros são lembranças fúteis, outros absurdos… Você é o individuo que observa os pensamentos, você não é a mente, tampouco os inúmeros pensamentos que por ela transitam. Estas projeções de pensamentos aleatórios e involuntários constituem o ego. Podem estar relacionados a emoções impulsivas e irracionais (raiva, avareza, gula, narcisismo…).


As pessoas vivem no ‘‘ mundo da lua ’’, estão no ‘‘ piloto automático ’’, são guiadas pela mente com seus milhares de pensamentos durante toda a rotina diária, e por isto são facilmente propícias a um desequilíbrio emocional instantâneo; basta um pisar no pé para reagirem como um animal feroz num ataque de fúria, um tapinha nos ombros dado pelo chefe para fazer o individuo sorrir como uma criança que ganha um doce.
É preciso ter uma mente silenciosa durante todo tempo, o Ser Consciente que você é tem de tomar as rédeas da mente, se prevalecer sobre ela, deve estar atentamente concentrado a tudo que você faça e ver todo ambiente a sua volta como um filme que passasse diante dos seus olhos. Ou você domina a mente, ou a mente te domina. Isto de segundo a segundo, como um soldado de vigília na trincheira.

‘‘Vigiai e orai, para não cairdes em tentação. O espírito, com certeza, está preparado, mas a carne é fraca’’.
Mateus 26: 41
Achou que seria fácil? Achou que negar a si mesmo seria entrar para uma igreja e dizer que aceitou Jesus?
‘‘Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela. ’’
Mateus 7: 13

Lamento em lhe informar, mas não tem como haver expansão de consciência se não se propor a tomar consciência de tudo que chega a seus sentidos a cada instante; visão, olfato, audição…
Como adquirir consciência se o Ser consciente que é você está ‘‘fora do ar’’ e a mente tagarela que está vivenciando a experiência no corpo?
‘‘67. Disse Jesus: Quem conhece o universo, mas não se possui a si mesmo, esse não possui nada. ’’ Evangelho de Tomé


A mente é uma ferramenta da consciência. Ela tem de lhe servir em vez de você servir de capacho a ela. Não estou dizendo para nunca mais pensar, isto seria absurdo. Claro que terá de usar para raciocinar, pra resolver um problema de matemática, para ler um artigo de linguagem complexa, para planejar uma viagem, para criar conscientemente alguma pretensão etc.
Onde você estiver, esteja realmente lá. Se estiver dirigindo, esteja dirigindo, lavando louça…, resumindo esteja PRESENTE. Os pensamentos involuntários virão, mas não se identifique com eles. Você, a Consciência, e não a mente tagarela pensando na ‘‘morte da bezerra ’’ deve estar ‘‘lá ’’, para viver a vida.

Arcanjo Miguel (Consciência do Ser) matando demônio (ego).
O ego e suas multifaces é representado na mitologia grega como a medusa (também é representado com o arquétipo da hidra). Perseu ao cortar a cabeça da medusa, assim como Hércules derrotar a hidra simbolizam a morte do ego.

Lembra que o observador cria a realidade? Se deixar o ego dirigir o corpo, ele criará a realidade – sofrimento, lamentação, problemas de todos os tipos. Veja o que a humanidade criou a milênios sendo direcionada pelo ego e não pela consciência. Quanto mais se despertar, mais felicidade; pois quando mais se discernir que os pensamentos aleatórios não passam de projeções ilusórias da realidade, menos será atormentado por eles e pelas diversas circunstâncias.

O Negar a si mesmo é uma prática para ser realizada de momento a momento, é um estado constante de concentração, por isto não deixa de ser uma meditação. Contudo a meditação com relaxamento é inevitável pra quem quer obter graus de consciência e chegar à mansidão mental no nível em que a mente se torna tão serena, que os pensamentos involuntários cessam.

Deite-se num local confortável, num ambiente onde não possa ser incomodado. Inspire e expire vagarosamente, enquanto relaxa cada membro de teu corpo. Sinta cada parte dele, o sangue correndo pelos vasos sanguíneos, o coração batendo, sinta o teu corpo funcionando. Evite qualquer tensão muscular e mental, não vá atrás de nenhum pensamento, apenas os observe, não os julgue, não os alimente, observe o quanto são superficiais diante da Consciência que você é.

Recomendações: Livro – O Poder do Agora – Eckhart Tolle http://www.luzdegaia.org/downloads/livros/diversos/O_Poder_do_Agora_Eckhart_Tolle.pdf Filme – Poder Alem da Vida https://www.youtube.com/watch?v=prY7D-BFASc
Filme – Revolver (no link abaixo há apenas fragmentos editados para reflexão) https://www.youtube.com/watch?v=0tHPtAbZtIE


Exercício 2- O Labor de Amar

No mito de Prometeu, encontramos também o arquétipo do Sacrifício e do Amor incondicional . Ele se sacrifica entregando o Fogo (Sabedoria) a humanidade e é condenado a um castigo a; Zeus ordenou a Hefesto que o acorrentasse no cume do monte Cáucaso, onde todos os dias uma águia (ou corvo) dilacerava seu fígado que, todos os dias, regenerava-se.
O simbolismo da crucificação representa o arquétipo do Amor e do Sacrifício em prol da Unidade entre todos os seres perante a Consciência Universal.

‘‘Como o Pai me ama, assim também eu vos amo. Perseverai no meu amor. ’’ João15:9
‘‘O que vos mando é que vos ameis uns aos outros. ’’ João 15: 17

O amor é um estado de consciência, e não está relação egoísta que a humanidade cativou por milênios. O egoísmo envolve posse, e ela está entranhada em todas as diversas relações, da conjugal as relações políticas, por que por trás do propósito de poder está sempre à subjugação do outro sobre tendências egoístas.

Quanto mais ama, certamente, mais discernimento tem uma consciência da Realidade.
Uma criança é capaz de perceber que a humanidade não amou, e ainda não está a amar.

Os indivíduos que criaram instituições religiosas usando o nome de Jesus, não amaram. Pois a fundação de igrejas (católica, protestante, ortodoxa etc.) atendia (atende) aos interesses (ego) daqueles- nunca se quis realmente libertar o outro – trocava-se seis por meia dúzia, uma ilusão por outra. É obvio que o poder sempre esteve envolvido. Esta perspectiva é idêntica na política.

Amar está alem de qualquer interesse próprio, alem das instituições que o tentam deixá-lo restrito a seus conceitos mórbidos (egoístas). O amor não é uma palavra, um conceito. Difícil seria descrever o que é, mas por vivência me atrevo a arriscar; é como um contínuo êxtase de proporção inimaginável perante a vida e tudo que existe, é tão desconcertante e indescritível que dificilmente se poderia cogitar guardar Tudo isto somente pra si, e que a primeira coisa que você almeja é que todos possam sentir o que você sentiu – o sentimento do Todo fluindo através da Centelha Cósmica.

O palestino que joga uma bomba e mata um Israelense, nunca sentiu isto. Tampouco o cavaleiro templário que desmembrava os mouros nas cruzadas, com toda certeza também nunca sentiu. Certamente o pastor, o padre, ou qualquer líder religioso que não te torna independente deles e da instituição, também não.

A instituição precisa de números, de massa para se estabelecer. E o líder religioso precisa que aqueles que o buscam não saibam que carregam a divindade dentro de si. Muito possível que o próprio sacerdote desconheça disto, pois, por mais que tenha a intenção fraterna, está propagando uma falácia religiosa totalmente oposta a diretriz cósmica. Assim não tem sido a centenas de anos?

Deixai-os; são cegos condutores de cegos. Ora, se um cego guiar outro cego, ambos cairão na cova.
Mateus 14;15

Este exercício aparenta ser o mais fácil, mas se apresenta como mais difícil. É ate estranho chamar essa prática de exercício. Trata-se de trabalhar o sentir esta energia do Todo através da Centelha – o Amor.
Quanto mais você despertar, mais for dirigido pela consciência e não pelo ego, mais simples e óbvio se demonstrará.

Comece com o seu arredor. Veja tudo como se fosse um milagre; as plantas, o céu, os pássaros – mantenha dentro de si um sentimento de contemplação.

No dia a dia, ao cruzar com outras pessoas desconhecidas, seja na rua, no supermercado, em qualquer lugar que esteja, olhe para estas pessoas e sinta o quanto estas são parecidas contigo, que não há diferença delas em relação a você, que são uma parte sua. Que assim como você; sofrem, trabalham, labutam, erram, sorriem… Sinta a história delas; as lágrimas delas escorrendo a sua face frente a uma decepção ou humilhação, o cansaço de uma busca por felicidade por meios inalcançáveis, a dor emocional e física de uma vida flagelada, a doce alegria que elas sentem após um tratamento caridoso…

Você está disposto a sentir este amor de forma natural durante cada momento de sua vida?

Cada pessoa tem a centelha dentro de si, como odiar ou fazer mal ao outro? A Centelha nunca odiará ninguém, mas o ego não vê nada alem de si mesmo, este odeia.
Todos são manifestações cósmicas; a Centelha é a Realidade Última de cada individuo, não existe negro, nem branco, amarelo, pobre, rico, liberal, comunista, cristão, muçulmano, só existe a Centelha/Self – Amor.

Não há maior felicidade do que aquela sentida pelo indivíduo que compreendeu isto. Não se amedronta, não se corrompe, pois já enxergou o propósito ilusório do ego.
Se alguém atinge este nível de consciência é IMPOSSÍVEL que não viva feliz.
Não era a intenção de Jesus Cristo ser idolatrado e cultuado. Ele apenas quer que a humanidade ame.

Lucas de Sousa Teixeira

Parte 2:

https://cienciaespiritualidadeblog.wordpress.com/2015/11/06/a-religiao-como-linguagem-nao-compreendida-da-consciencia-parte-2/

Continua Parte 4:

https://cienciaespiritualidadeblog.wordpress.com/2015/11/06/a-religiao-como-linguagem-nao-compreendida-da-consciencia-parte-4/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s