A Religião como Linguagem não compreendida da Consciência Parte 1

Vaticano com sua figura papal tem um enorme poder ideológico sobre visão e orientação no mundo dos católicos. Isto significa ditar a realidade existencial de bilhões de seres humanos.

A aplicabilidade da religião como uma atitude consciente é possível, mas poucos têm enxergado as suas entrelinhas, poucos captam a vivência de ‘’religar-se a algo Superior’’, poucos ultrapassam os valores simplesmente morais da religião e atingem níveis sublimes de consciência. A religião de massa ao decorrer dos séculos não tem iluminado as pessoas, pelo contrário, se tornou um poderoso artifício de controle onde seus dogmas e autoridades sacerdotais se apresentam irrefutáveis.

Pelo menos 717 pessoas morreram e 805 ficaram feridas em um tumulto em Mina, perto de Meca, durante a peregrinação anual dos muçulmanos, na segunda tragédia a atingir os fiéis em menos de duas semanas na região. De acordo com uma fonte do ministério da Saúde, a correria provocada por um movimento pânico aconteceu no primeiro dia do Eid al-Adha, durante o ritual de apedrejamento de satã em Mina, que consiste em lançar pedras contra as colunas que representam o mal. O sistema de crença baseado na linguagem religiosa não compreendida ( falta de leitura abstrativa dos livros religiosos, institucionalização da religião e pouca consciência da Realidade) pode causar atitudes histéricas em nível coletivo.
Pastor EvangélicoBenny Hinn hipnotizando multidões. Cultos do tipo ”show gospel”, parecem mais um teatro de insanidade, onde cegas multidões ali se aglomeram para expressarem a insanidade num nível coletivo de inconsciência. Isto demonstram o tamanho que se pode chegar a alienação a elementos religiosos, isto reflete falta de questionamento, vontade investigativa e expansão de consciência .
Num festival religioso em homenagem aos rios sagrados no estado de Andhra Pradesh, no sul da Índia, ao menos 27 pessoas morreram e outras 20 ficaram feridas em uma avalanche humana. incidente ocorreu com várias mulheres terem sido esmagadas durante um tumulto em uma escada de acesso às margens do rio Godavari, na cidade de Rajahmundry, indicaram fontes oficiais à imprensa indiana. ”Que transcendental ”, hindus que supostamente ” entendem ” as escritas védicas, se atropelarem em busca de um ”rio sagrado” exterior.

Vimos os movimentos religiosos surgirem a partir de figuras messiânicas como Zoroatro, Shitarta Gautama, Yehoshua Ben Padira entre outros. Se nós observarmos bem, notaremos o quanto as palavras desses Homens expressavam esta Consciência Universal, contida de uma objetividade de nos trazer uma postura que nos levassem ao transcendente, porem seus ensinamentos foram subtraídas a doutrinas e a corrente de pensamento de vínculos meramente sociais, tornando-se uma tradição civilizatória de aspecto cultural, se distanciando dos princípios originais – o desvelar do homem por ele mesmo.

A linguagem religiosa (estórias arquetípicas, mitologias, metáforas, parábolas, exemplos e etc) era provavelmente a mais cabível na época para ser usada por estes transmissores desta Realidade Consciente, confundir a linguagem religiosa como uma visão literal da Realidade é realmente um estado de inconsciência e comodidade por uma busca particular por respostas.  O abismo da ilusão que se procedeu em torno do entendimento tornou-se demasiadamente distante do conteúdo original, tal linguagem já mostrou seus efeitos no comportamento coletivo, se tornando uma âncora na psique humana, nos limitando – em proporção integral – a respeito de nossa natureza. A religião tem acomodado as massas ao decorrer dos tempos, há séculos que os templos estão cheios e não vemos uma mudança verdadeira na sociedade. Nossa organização ainda não reflete uma humanidade unida e fraterna, suas promessas de paz, felicidade e até mesmo de humanidade não saíram dos discursos e nem das inúmeras linhas de seus livros religiosos. Estamos acomodados e divididos pela religião, acomodados na ideia de Deus como uma segurança psicológica, nesta ignorância estamos despropositados de desvendarmos a deidade integrante de cada ser diante do fator Universal, a realidade da Consciência. Não vamos mais esperar que nossa resolução venha desta fatalidade religiosa acomodada, não podemos mais ser guiados por esta crença culturalmente travestida e esperar que esta nos salve de nós mesmos.

Ao exprimir pontos práticos de algumas religiões pretendo desvelar essa roupagem religiosa, desmistificando e desmitificando-a, a fim de transferi-la para a perspectiva da consciência e de sua praticidade. O objetivo não é escrever um tratado sobre religiões, mas sim, ajudar a você ter insights do Real propósito Consciente que elas deveriam representar.


A Religião na Mesopotâmia 

Obtivemos acesso a riqueza mitológica da mesopotâmica através das escritas cuneiformes deixadas em diversas regiões por estes povos, na cidade de Nívie, por exemplo, foi construída uma biblioteca durante o império assírio, onde foram guardadas milhares destes tabletes de argila.

Escrita cuneiforme (alemão: Keilschrift) é a designação geral dada a certos tipos de escrita feitas com auxílio de glifos em formato de cunha em tabletes de argila. Inventada pelo sumérios para registrar a língua suméria, a escrita cuneiforme foi adaptada pelos Acadianos, Babilônicos, Elamitas, Hititas e Assírios — e adaptada para escrever em seus próprios idiomas; foi extensamente usada na Mesopotâmia durante aproximadamente 3 mil anos, apesar da natureza silábica do manuscrito (como foi estabelecido pelo Sumérios) não ser intuitiva aos falantes de idiomas semíticos.

Na Mesopotâmia, estado e religião estavam diretamente interligados. Assim como ciência e religião eram uma coisa só. Intuitivamente se tinha o preceito de que a compreensão dos elementos da criação permitiam a aproximação de algo Superior. No legado científico destes povos se encontra a matemática (círculo de 360 graus, multiplicação, divisão, soma, subtração, de raiz quadrada e cúbica), a divisão do ano de 12 meses e a semana de 7 dias, os amplos conhecimentos de astronomia lhes influenciaram no plantio e colheita em determinadas fases lunares e ate a viagem cósmica do planeta através dos 12 signos zodíacos.

Este direcionamento de se basearem nos astros implica uma assimilação consciente de que tudo está interligado, contudo o velho problema da linguagem religiosa neste berço civilizatório começa na adoração de inúmeros deuses divergentes, distintos em cada cidade Ur, Uruk, Kish, Lagash e etc. A busca da vontade dos deuses nos astros para reger determinada ação implicava no apreço e medo destes, assim os indivíduos se relacionavam com os deuses de acordo com suas próprias finalidades e por meio dessas vontades ”divinas” acabavam por justificar suas próprias atitudes, muitas ate de cunho hediondo a fim do atendimento de interesses egoístas. Ai já se tem um problema, a privação do contado de cada indivíduo com sua própria Natureza Consciente para o respaldo em deuses exteriores e pessoais.

 A estrutura teocrática centrada na figura do patesi (governante supremo da cidade mesopotâmica), tendo este como o intermediário direto dos deuses, solidificava a necessidade deste como uma ponte entre os humanos e o divino. Mas não se enganem, o patesi dispunha-se não de uma intermediação reveladora de que todos eram capazes de se aproximarem de sua Natureza Consciente (Self), pelo contrário, este exclusivo privilégio era muito útil para manter as massas sobre suas influências de controle religioso, administrativo e militar em toda cidade.

Essa necessidade de que nos governem, de que nos digam o que fazer, como nos organizar, e que maneira devemos interagir com a divindade é uma herança que foi se postando e se concretizando cada vez mais ao decorrer da história. Foi colocado um cabresto na humanidade, isto explica tamanha comodidade. Esperamos sempre que a mudança venha dos políticos/governantes, que venha dos lideres religiosos (padre, pastor etc.), e nunca que venha de nós mesmos, de uma mudança interior que cada pessoa deveria assumir diante de si.

Estátua do rei Gilgamesh

Os sumérios, a primeira civilização da região mesopotâmica, nos deixaram um legado literário muito interessante, a Epopeia de Gilgamesh, considerada a obra literária mais antiga já produzida pela humanidade, ela é composta por doze cantos com cerca de 300 versos cada um. A lenda conta a história de Gilgamesh, rei sumério e fundador da cidade de Uruk que governou a região por volta do ano 2.700 a.C.

 A partir duma análise atenta, poderemos adentrar no seu significado arquetípico da busca do ser por Consciência, nos mostrando que tal busca é algo inseparável do homem, remetendo-se ate mesmo aos primórdios da humanidade ( Os mitos são representações de arquétipos expressos através do Inconsciente Coletivo de individualidades e civilizações- Vide Carl Jung e Joseph Campbell). O que move a aventura de Gilgamesh é a busca pela imortalidade (imortal = Consciente da Natureza Cósmica).

”A princípio cheio de pavor, Gilgamesh recobra-se e solicita às extraordinárias criaturas que lhe indiquem o caminho. Um dos homens escorpiões contesta:
– Isso nenhum mortal, Gilgamesh, pôde jamais realizar! A trilha da montanha, ninguém a percorreu!
Mas Gilgamesh lhe retruca:
– Mesmo com dor e pena, com frio ou calor, soluçando ou chorando, hei de ir… Agora, abre-me a porta da montanha!
Franqueiam-lhe a passagem e ele se encaminha por um túnel de sombras que leva dez dias para percorrer, às cegas. Vai sair em um maravilhoso jardim de pedras preciosas, onde o lápis-lazúli carrega com folhagem e a cornalina resplende com frutos bons para a vista. Shamash compadecido o adverte:
-Ó Gilgamesh, a vida que buscas, tu não encontrarás!”
Mas o herói responde ao deus que depois de tanto penar não há de conformar-se:
-Que eu possa ter a minha parcela de luz,… ”
Epopeia de Gilgamesh

E você, tem buscado a sua Luz, o seu entender da existência? O que tem movido sua vida? Tem buscado mudanças ou tem deixado estas para seus governantes realizarem? Tem buscado ascendência ou tem deixado o transcendente nas mãos do seu líder religioso? Está na hora de encarar-se de frente perante a sua existência, o que acha a respeito disto?


A Religião no Egito Antigo

O Egito nos fascina com toda sua cultura exótica, mística e com monumentos que persistiram aos efeitos do tempo. Através de seus mitos politeístas podemos encontrar expressões arquetípicas dessa Sabedoria Consciente que podiam ser penetradas por iniciados nos grandes templos de Mistérios. Contudo a população em geral não compreendia, não conseguia traduzir os valores metafóricos; assim acabavam por permanecer na pura ignorância de cultuar essas divindades como se fossem reais, as transformando em estátuas para diante delas se curvar, ficando a mercê da classe sacerdotal da época.

É sabido do grande conhecimento de anatomia e medicina (veja a complexidade das mumificações) que este povo possuía, ao analisarmos o mito do Olho de Horus e a forma que este é ilustrado nos fica óbvio que se referem à Glândula Pineal.

Horus era o intermediário entre os seres humanos e os poderes divinos. Os olhos de Horus representavam o sol e a lua, na luta contra Seth, seu olho esquerdo (o que representava a lua) foi ferido, isto era uma representação egípcia de interpretar as fases lunares. Esta luta se repetia, ciclicamente.

A glândula pineal é responsável pela produção cíclica de melatonina. Este hormônio exerce inúmeras funções como controle do relógio biológico e sono (REM) e vigília. Segue-se um ritmo diário de luz (Sol) e escuridão (Lua), chamado ritmo circadiano.

 Nos seres humanos a produção de melatonina ocorre durante a noite, com quantidades máximas de madrugada entre 2 e 3 horas da manhã, e decai ao amanhecer do dia. Seu funcionamento está descrito no mito do Olho de Horus.

A pineal converte ondas eletromagnéticas em estímulos neuroquímicos, isto já foi comprovado cientificamente. Tem algo de interessante ai. Lembra-se que o átomo vibra e emite determinada frequência? Como foi acabado de ser dito, a pineal capta ondas eletromagnéticas, e pra reforçar o que pretendo dizer vou repetir outro termo novamente: ” Horus era o intermediário entre os seres humanos e os poderes divinos. ” Trabalhando a glândula pineal pode-se desenvolvê-la para captação de frequências cada vez maiores permitindo uma maior percepção da Realidade, expandindo assim, a Consciência.

Vamos a alguns exercícios:

Exercício da Glândula Pineal número 1

O primeiro exercício se direciona a percepção de ouvir a glândula pineal. Isto mesmo, é possível ouvi-la, e provavelmente você já ouviu e não se deu conta. A glândula está localizada em uma área cheia de líquido, o som faz o líquido vibrar . Ela emite um som semelhante a uma panela de pressão (ssssss) perceptível de dentro de sua cabeça. É preferível que faça a noite ou num local totalmente escuro.

”Deite-se num local confortável, num ambiente onde não possa ser incomodado. Inspire e expire vagarosamente, enquanto relaxa cada membro de teu corpo. Sinta cada parte dele, o sangue correndo pelos vasos sanguíneos, o coração batendo, sinta o teu corpo funcionando. Evite qualquer tensão muscular e mental, não vá atrás de nenhum pensamento, apenas deixei fluir. ”

Apos o relaxamento se concentre na sua cabeça para ouvir o som emitido pela glândula. Se ainda não conseguiu ouvir, tampe seus ouvidos com seus dedos indicadores. A objetividade deste exercício é reconhecer o seu som, se tornar consciente dele. No início pode ser difícil de perceber, mas com as práticas tudo ficará facílimo.

Exercício da Glândula Pineal número 2

Depois de dominado o primeiro exercício, segue o segundo que consiste na concentração na própria glândula, já que agora reconhece o seu som.

”Deite-se num local confortável, num ambiente onde não possa ser incomodado. Inspire e expire vagarosamente, enquanto relaxa cada membro de teu corpo. Sinta cada parte dele, o sangue correndo pelos vasos sanguíneos, o coração batendo, sinta o teu corpo funcionando. Evite qualquer tensão muscular e mental, não vá atrás de nenhum pensamento, apenas deixei fluir. ”

No início se tiver dificuldade de encontrar constância no som, proponho a colocar o despertador para praticar de madrugada, pode ser às 3 da manhã, é o horário cuja glândula tem seu pico de produção de melatonina, ou seja, o horário em que está mais ativa e produzindo mais barulho (sssssssssss).

Ao exercitá-la através da concentração, você aumenta a atividade da glândula e com o tempo o som que ela emite ficará tão alto que poderá ouvir a qualquer momento do dia, enquanto caminha, trabalha e etc. E acredite, isto é muito positivo. Por certo desuso este som passa despercebido, mas não há o que se lamentar, agora que tem a faca e o queijo nas mãos, o conhecimento e a prática, mãos a obra.

Ai vem à parte interessante. A partir desses exercícios as pessoas começam a perceber sensações e ter experiências diferentes de tudo que já tiveram antes. Alegre-se! Estas experiências ditas espirituais, que chamo de aumento de percepção de Consciência são a prova de que você está expandindo. É um novo mundo diante de si, e perceber isto é maravilhoso. Não há nada de místico nisto, sua glândula pineal está se desenvolvendo e se tornando mais sensível a outras frequências, você está ultrapassando os seus meros sentidos corporais. Isto abalará sua vida, seu paradigma, inevitavelmente.

Evite tomar água da torneira ou qualquer produto (pasta de dente, água ”tratada” da torneira, alimentos) com flúor. O cientista Jennifer Luke comprovou com seus estudos que a glândula pineal é a parte do nosso organismo que mais absorve fluoreto de sódio. Este calcifica a glândula e prejudica sua atividade. Também é danoso para tireóide, o prejuízo na sua produção hormonal causa inúmeras doenças.  Estudos recentes da universidade de Haverd apontam que o flúor tem também responsabilidade em casos de retardo mental. As massas estão distraídas de mais pra perceber, e é conivente que continuem doentes e inconscientes.


A Consciência de Akhenaton, o faraó não compreendido


”Aqueles que lhe deu um corpo, decorados com fraqueza (ego), também lhe deu alma (Centelha/Self), você está armado com a resolução. Use e você será sábio, prudente e feliz. ”

Akhenaton

Akhenaton (Ech-n-Aton) significa ”Aquele que agrada a Aton”, ficou conhecido como rei herético por abolir o culto politeísta no Egito. Ate hoje sua atitude é entendida como golpe de estado de caráter despótico, ledo engano!  Akhenaton estava mais preocupado com que as pessoas entendessem este conceito de Unidade (se é difícil passar este conceito, atualmente, imagina naquela época), se objetivou a trabalhar por esta causa, a mudança de seu nome para Akhenaton diz respeito a sua pretensão.

Aton não é o sol físico, o astro do nosso sistema solar como dizem os arqueólogos e egiptólogos equivocados, Aton  representa a Consciência Universal  presente em tudo que existe (Vácuo), Fonte que fez manifestar desde o mínimo quark à sistemas galácticos inteiros. A humanidade seria outra hoje se seu legado não fosse interrompido, a perspectiva de separatividade (politeísmo) perdura-se, a humanidade ainda é dependente das classes sacerdotais . O conhecimento estaria acessível a todos, todos saberiam que Deus estava ali dentro de cada indivíduo. Mas todos que buscavam entrar em fase com Aton foram chacinados, o general Horemheb invadiu a cidade de Amarna e matou a todos. As classes sacerdotais voltaram a seu poderio de origem e as pessoas continuaram ignorantes, na dependência destes, continuaram adorando estátuas de pedra.

Akhenaton parece destinar a sua prece a um sol físico? Ou parece estar se direcionando a uma Consciência Universal?

“O Reino do Eterno não pode ser colocado dentro dos limites terrestres. O medo, o ódio e a injustiça voltarão a reinar e os homens sofrerão realmente. Seria melhor não ter vindo para que visse todo o mal que há sobre a Terra. Os exércitos podem destruir os Templos de Deus, pedra por pedra. Os sacerdotes podem apagar o Nome Dele de todos os monumentos. Mas para destruir Deus, terão que arrancar todas as estrelas do céu e até mesmo o próprio céu para destruir seu Verbo”.

Última mensagem de Akhenaton antes de ser morto.

Este termo herético é bastante familiar. Os heréticos para classe sacerdotal na idade média eram bastante perigosos para o vigente poder estabelecido pela igreja romana. Os hereges eram torturados ate se confessarem e depois eram queimados vivos.
Akhenaton rompeu com algumas tradições impostas ao faraó, dentre elas, a de se casar com uma mulher sem origem na realeza, mas sim de origem modesta. Proibiu a matança de animais, libertou os escravos, dissolveu os exércitos e concedeu casa, trabalho e comida para todos os trabalhadores. As riquezas dos templos foram distribuídas entre os pobres e a escravidão extinta.

Mudou a capital de Tebas para Amarna (Akhetaton), onde construiu um dos mais belos complexos do Antigo Egito: a cidade de Akhetaton, o “horizonte de Aton”. Nessa cidade todos viviam na mais absoluta felicidade, as artes prosperaram de maneira extraordinária. Um verdadeiro paraíso terrestre. Foi o precursor de ensinamentos de Amor, Justiça e Verdade. Isto incomodou as estruturas vigentes de poder. É óbvio que ao decorrer da história todos que se propuseram a fazer isto foram ridicularizados, calados e mortos.

Se a humanidade tivesse expandido a Consciência para esta percepção de estar em comunhão com esta Consciência Universal (Aton), o Todo,  Deus- não importa o nome- não existiria escravos e nem males de qualquer forma possível, se todos percebessem esta Realidade de que todos são Manifestações Cósmicas Conscientes de mesma singularidade, como e por que escravizar o outro (irmão)?

”Ouça as palavras da prudência, dar ouvidos a seu conselhos, e mantê-los em seu coração, suas máximas são Universais, e todas as virtudes são baseados nEle, que é o guia e o amante da vida humana. ”

”A verdade de um só ponto de vista é ilusão. ”

”– Ó Criador de toda vida, que Apareces na Perfeição da Tua beleza, quão múltiplas são as Tuas obras, Ó Deus Único, Senhor de Toda a Eternidade! Do Teu espírito emanam todas as criaturas. Só o Teu amor, a Tua verdade e a Tua bondade governam todas as coisas. Na natureza estão os Teus pensamentos, pois Tu estás na folha da grama, no grão de areia, no raio de luz que flutua no céu, assim como no Todo sem fronteiras!
– Ó Tu que vive eternamente: aspiro novamente o doce aroma que vem da tua boca; dia após dia o meu coração contempla a Tua beleza. Tenho desejos incontidos de novamente ouvir a Tua meiga voz e necessito, com todas as forças do meu ser, que meus passos sejam guiados pela beleza da Tua Imorredoura Luz!
– Ó Tu que planas acima de todos os firmamentos: dá-me as Tuas Mãos que sustentam o Teu Espírito. Que eu possa recebê-lo e viver somente por intermédio Dele; lembrar Teu Nome, por toda a eternidade, pois Ele não perecerá jamais!”

Prece de Akhenaton ao Deus Universal

Akhenaton é uma prova viva de Amor Consciente, se unir com Aton significa estar em sintonia com a Realidade Cósmica, expandir a Consciência para penetrar neste Amor Consciente é nossa finalidade.

A New York Times autor e 2015 Templeton Award candidato best-seller, Gregg Braden é reconhecido internacionalmente como um pioneiro na ponte ciência, espiritualidade, eo mundo real. Na sequência de uma carreira bem sucedida como um geólogo computador para Phillips Petroleum durante a crise de 1970 a energia, ele trabalhou como sistemas de computador designer sênior com Martin Marietta Sistemas de Defesa durante os últimos anos da Guerra Fria. Em 1991, ele se tornou o primeiro gerente de operações técnicas para Cisco Systems. Por mais de 27 anos, Gregg tem explorado aldeias montanhosas remotas, mosteiros e textos esquecidos para mesclar seus segredos intemporais. Suas descobertas são compartilhadas em 33 países e 38 línguas através de tais livros inspiradora de paradigma como: O Código de Deus, The Matrix Divina, Fractal Tempo, verdade profunda, e seu mais recente, The Turning Point. Sua 2007 best-seller, The Matrix Divina, foi recentemente seleccionada como fonte para o recurso feito para a televisão, “Entanglement”, e agora é um livro-texto para cursos de nível universitário explorando novas descobertas da ciência e da nossa relação com o mundo. Gregg é um membro activo de várias organizações de liderança, incluindo a Liderança Evolucionária think tank, fundada por Deepak Chopra em 2008. Gregg Braden recebeu inúmeros prêmios em reconhecimento dos seus conhecimentos e da inovação, e é um candidato 2015-2020 para o prestigioso Prêmio Templeton . A obra de Gregg foi compartilhada em todos os continentes do mundo e, nos últimos anos, ele apresentou seus seminários e treinamentos para empresas Fortune 500, os militares dos EUA, negócios internacionais e agora é destaque em especiais de mídia no History Channel, Discovery Channel, National Geographic, ABC e NBC.

Para você  que deve estar se perguntando, cade as provas científicas da existência desta ”Consciência que está em todos os lugares”? Fica abaixo o link de explicações dadas pelo físico Gregg Braden a respeito de inúmeros experimentos:

Compreenda também as implicações do experimento da Dupla Fenda:

A existência da consciência, uma realidade inegável

https://cienciaespiritualidadeblog.wordpress.com/2015/10/29/a-existencia-da-consciencia-uma-realidade-inegavel/

Lucas de Sousa Teixeira

Continua Parte 2 :

https://cienciaespiritualidadeblog.wordpress.com/2015/11/06/a-religiao-como-linguagem-nao-compreendida-da-consciencia-parte-2/

Um comentário sobre “A Religião como Linguagem não compreendida da Consciência Parte 1

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s